fechar
capa encruzilhadas site

Exposição

Encruzilhadas da Arte Afro-Brasileira

Imagem de Calendário

16/12/23 a 18/03/24

Serviço


  • Classificação LivreClassificação Livre

  • Local

    Subsolo, térreo, 1º, 2º, 3º e 4º andares

  • Horário

    Todos os dias, exceto às terças-feiras, das 9h as 20h

  • Ingresso

    Gratuita

Adquirir ingressos Telefone

Covid 19

Fique atento às
recomendações.

Fique atento

Com patrocínio do Banco do Brasil e BB Asset Management, Encruzilhadas da Arte Afro-Brasileira, reúne obras produzidas por 61 artistas negros, de diferentes regiões, nos últimos dois séculos no Brasil. São cerca de 150 pinturas, fotografias, esculturas, instalações, vídeos e documentos abordando uma variedade de temáticas, técnicas e descritivos, distribuídos pelos cinco andares do CCBB.

“O propósito da mostra é um diálogo transversal e abrangente da produção artística afro-brasileira no país”, explica o curador Deri Andrade, pesquisador, jornalista, curador assistente no Instituto Inhotim e criador da plataforma Projeto Afro de mapeamento e difusão de artistas negros/as/es da cultura afro-brasileira. 

A exposição é um desdobramento do Projeto Afro, em desenvolvimento desde 2016 e lançado em 2020, que hoje reúne cerca de 300 artistas catalogados na plataforma. São nomes que abarcam um vasto período da produção artística no Brasil, do século 19 até os contemporâneos nascidos nos anos 2000. “A exposição traz outra referência e um novo olhar da arte nacional aos visitantes”, afirma o curador. “A história da arte do Brasil apaga a presença negra e o artista negro do seu referencial”, completa.

Cinco eixos, cinco artistas. Assim foi desenhada a exposição que, a partir de cinco nomes centrais, revela diferentes épocas e discussões, contextos, gerações e regiões. De grande abrangência, a mostra percorre do período pré-moderno à contemporaneidade e discute eixos temáticos em torno de artistas negros emblemáticos: Arthur Timótheo da Costa (Rio de Janeiro, RJ, 1882-1922), Lita Cerqueira (Salvador, BA, 1952), Maria Auxiliadora (Campo Belo , MG, 1935 - São Paulo, SP, 1974), Mestre Didi (Salvador, BA, 1917- 2013) e Rubem Valentim (Salvador, BA, 1922- São Paulo, SP, 1991). 

Cada um dos nomes acima lidera, respectivamente, um eixo: Tornar-se, Linguagens, Cosmovisão (sobre engajamento político e direitos), Orum (sobre as relações espirituais entre o céu e a terra, a partir do fluxo entre Brasil e África) e Cotidianos (discussão sobre representatividade).

Imagem -

Oficina Integrada: Reparar o Imaginário

Na oficina integrada à exposição "Encruzilhadas da arte afro-brasileira", o CCBB Educativo convida o público a transformar o imaginário por meio da colagem. A partir da obra "Narrativas que se encontram", de Elidayana Alexandrino, os visitantes são instigados a escutar o que as imagens podem nos contar para reimaginar e construir novas narrativas. Após este exercício, os participantes constroem molduras para as colagens, que podem ser levadas ou deixadas para uma troca poética das imaginações.

Local: 1º andar
Classificação indicativa: Livre
Capacidade: 6 pessoas | Entrada gratuita

Funcionamento
Relógio

Todos os dias - exceto às terças

10h às 18h


Imprensa


    Folder