fechar

Teatro

Mostra Carroça de Mamulengos – Três Gerações de Arte Brincante

Imagem de Calendário

18/07/24 a 04/08/24

Serviço


  • Classificação LivreClassificação Livre

  • Local

    Teatro do CCBB

  • Horário

    Quintas e sextas, às 16h |
    Sábados e domingos, às 11h e 16h

  • Ingresso

    Ingressos: R$30 (inteira) e R$15 (meia-entrada)


Covid 19

Fique atento às
recomendações.

Fique atento

CrC3A9ditos-Carlos-LourenC3A7o_IRA5039

Carroça de Mamulengos, agora em uma versão inédita especialmente montada para esta mostra. Este espetáculo único reúne a participação da grande família Gomide, composta pelos fundadores Carlos e Schirley, seus 7 filhos, noras e 7 netas. Três gerações de artistas que nasceram e cresceram dentro desse espetáculo, fazendo dele a grande escola de formação brincante da companhia.

A apresentação revela como, na contramão do mundo contemporâneo onde as novas gerações tendem a esquecer suas ancestralidades, memórias e tradições, a Carroça de Mamulengos consegue preservar saberes populares. Esses saberes são mantidos vivos e perpetuados, reinventados e ressignificados a cada nova geração que se junta a essa família de artistas.

Imagens: Diego Bresani
Programação

18 a 21/07: Histórias de Teatro e Circo
qui e sex às 16h | sáb e dom às 11h e 16h

25 a 28/07: O Babauzeiro
qui e sex às 16h | sáb e dom às 11h e 16h

01 a 04/08: Janeiros
qui e sex às 16h | sáb e dom às 11h e 16h

27/07 (sáb) – 13h: Seminário Diálogos sobre Pedagogia Brincante: a cultura de ensinar e aprender dentro das tradições populares

28/07 (dom) – 14h: Oficina Cantos e Cantigas Populares

Sinopses
O BABAUZEIRO

João Bondade contratou Benedito para cuidar do seu pomar, onde frutas são cultivadas e distribuídas para a comunidade. Mané Vou-lá-Hoje vê uma boa oportunidade para ganhar dinheiro fácil. Sabirinho é um passarinho raro – mistura de sabiá com canarinho – e, com Mané por perto, está correndo perigo.Nessa apresentação, Carlos Gomide revive o Babau, dando vida a bonecos que foram recebidos das mãos de mestres desse folguedo. No Babau, todas as relações de uma sociedade estão representadas em formas de bonecos: o político e o Estado, o coronel e seus privilégios, o padre e a igreja, o vaqueiro e seu boizinho, o médico e sua influência, o doido e suas loucuras, o policial e o abuso do poder, os empregados e desempregados, deuses e diabos criam todos os ingredientes para encenações de dramas, comédias, romances e tragédias.Este espetáculo estabelece comunicação direta com o público, onde diálogos podem ser inventados na hora, ressaltando a inventividade do bonequeiro, que, sozinho, oferece vida e voz a todos os personagens. Com uma linguagem singela, é capaz de falar de assuntos profundos e tocar com delicadeza e poesia o coração dos meninos e os olhos dos homens.

HISTÓRIAS DE TEATRO E CIRCO

Este espetáculo surgiu a partir do nascimento dos filhos de Carlos Gomide e Schirley França, criadores da Carroça de Mamulengos. Traz cenas que já existem há mais de 38 anos, como a burrinha Fumacinha – que neste momento está sendo interpretada pela décima quinta brincante da família. A montagem traz toda a família Gomide-França para a cena: avós, filhos, noras e netas, vinte pessoas e muitos bonecos, que são vivos feito gente. Mais que um espetáculo, o público vai encontrar uma tradição rara de se ver, uma trupe de artistas que, com quase meio século de vida e arte, segue uma tradição familiar, um modo de vida que atravessa o tempo e a memória. É fino e delicado, mas traz a força da ancestralidade e da tradição.

JANEIROS

Esta é a vez do era uma vez no rumar sem fim de quatro irmãos, vindos de terras distantes, lá de onde viver é um eterno bailar entre a vida e o sonho. Trazem consigo, em caixas e memórias, tudo que é tipo de pedaço deste tal outro mundo. Aos que espiam este anda-anda dos irmãos por uma fresta do tempo, são cantadas e contadas estórias vividas e sonhadas ao longo dos tempos.

Com lirismos e brincadeiras, o espetáculo conta a história de um homem que plantou seu sustento por onde passou. Em suas andanças, ele encontrou a velha mais velha da terra: a Mãe Coragem que ousou domar o Boi Bravo do Tempo. Vai janeiro e vem janeiro e os artistas andantes estão na beira de um caminho, decidindo o que fazer da vida, buscando encontrar entre caixas memórias e sonhos, o presente que a velha plantou na terra.
Em ‘Janeiros’, os irmãos Maria, João, Isabel e Matheus se apresentam diante do público. Quando o encontro se dá, semeiam o encanto das narrativas das quais eles são feitos no canto fértil do coração de cada um. E depois seguem pelo caminho….

Cantos e Cantigas Populares

Em formato de aula vivencial, esta oficina trabalha e brinca com os cantos e cantigas populares relacionadas à formação do imaginário brincante ligado às dinâmicas educativas comunitárias. Em roda, cantigas populares, como “Ciranda Cirandinha”, “Capelinha de Melão”, “Escravos de Jó”, “Borboletinha”, “A Galinha do Vizinho”, “Meu Limão, Meu Limoeiro”, “A Barata Diz Que Tem”, “Alecrim”, “Pirulito que Bate Bate”, entre tantas outras, serão o fio condutor do processo de aprendizado e de desenvolvimento lúdico.

Diálogos sobre Pedagogia Brincante: a cultura de ensinar e aprender dentro das tradições populares

Com seus 47 anos de estrada e três gerações de brincantes, a família Carroça de Mamulengos criou sua própria maneira de educar e ensinar, com base na tradição oral e em vivências da cultura de tradição. Todos os filhos de Carlos e Schirley, fundadores do grupo, estudaram em casa, tendo a vivência como princípio de aprendizado e o trabalho como princípio de educação. Atualmente, as sete netas já nasceram encantadas pela arte, resultado da formação através da “Pedagogia Brincante”, que é a base vivencial da família Gomide. No seminário, Schirley França e sua filha mais velha, Maria Gomide, vão apresentar os princípios norteadores da “Pedagogia Brincante”, abrindo um diálogo a respeito da importância de integrar os saberes populares em prol do desenvolvimento de uma educação mais humana e integrada com os ciclos da vida.

Ficha Técnica

Histórias de Teatro e Circo | Concepção: Carroça de Mamulengos |  Direção e roteiro: Maria Gomide |  Direção musical: Beto Lemos | Figurinos: Isabel Gomide | Cenário: Carroça de Mamulengos | Criação e construção dos bonecos: Carlos Gomide | Cenotécnica e adereços: Carroça de Mamulengos | Brincantes: Carlos Gomide, Shirley Franca, Maria Gomide, Francisco Gomide, João Gomide, Matheus Gomides, Isabel Gomide, Luzia Gomine, Idália Campos, Gabriela Carneiro, Luiza Silvino, Iara Gomide, Ana Gomide, Helena Gomides, Naiá Gomides, Liana Gomides, Luna Gomide, Amari Gomide | Desenho de luz: João Gioia |

O Babauzeiro | Direção, dramaturgia, cenário, cenotécnica e adereços: Carlos Gomide | Brincantes: Carlos Gomide, Maria Gomide, Francisco Gomide, João Gomides, Matheus Gomides, Isabel Gomide | Figurinos: Isabel Gomide | Criação e construção dos bonecos: Carlos Gomide e mestres da tradição | Desenho de luz: João Gioia.

Janeiros |  Concepção: Carroça de Mamulengos |  Direção: Rodolfo Vaz |  Direção musical: Beto Lemos |  Dramaturgia: Raysner de Paula e Maria Gomide |  Brincantes: Maria Gomide, João Gomides, Matheus Gomides, Isabel Gomides |  Cenário e figurinos: Wanda Sgarbi |  Criação e construção dos bonecos: Carlos Gomide |  Assistência de direção: Fernanda Vianna e Juliana Pautilla |  Sonoplastia: Francisco Gomide |  Contrarregra: Gabriela Carneiro |  Desenho de luz: João Gioia.

Ficha técnica de produção |  Direção de produção: Silvio Batistela | Coordenação de produção: Ártemis (Ártemis Produções Artísticas) | Coordenação administrativo-financeira: Alex Nunes |  Produção executiva: João Gomides |  Coordenação Geral: João de Barro Produções |  Arte Gráfica: Zé Maia |  Assessoria de imprensa: Pareia Comunicação e Cultura

Serviço
Data: 18/07 A 04/08
Local: Teatro
Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada)

Veja também