fechar
dolly

Cênicas

Festival Íbero-americano de Artes Integradas de Brasília

Imagem de Calendário

21/06/22 a 02/07/22

Serviço


  • Verifique a classificação indicativaVerifique a classificação indicativa

  • Local

    CCBB Brasília
    SCES, Trecho 2 – Brasília/DF
    Teatro

  • Horário

    Confira programação

  • Ingresso

    Entrada gratuita

Adquirir ingressos Telefone

Covid 19

Fique atento às
recomendações.

Fique atento

Apresentado pelo Banco do Brasil, o FIAIB – Festival Ibero-americano de Artes Integradas estreia em Brasília, a Capital Ibero-americana da Cultura em 2022.

Em sua 1ª edição, que acontece de 21 de junho a 02 de julho, o público poderá experimentar dinâmicas que unem artes cênicas, cinema, dança e música com mais de 100 atrações, nacionais e internacionais, ao longo dos 12 dias de evento.

Confira abaixo os espetáculos que acontecerão no Teatro e nos jardins do CCBB Brasília.  Os espetáculos do Teatro precisam de ingressos (gratuitos), emitidos diretamente na bilheteria do CCBB Brasília ou no site da Eventim.

O festival ainda terá mostras competitivas e infantis de filmes no Cine CCBB.

Todas as atividades são gratuitas.

Programação - Espetáculos no CCBB Brasília


    2 Mundos

    Quarta, 22 de junho – 20h
    Teatro I – CCBB Brasília

    2 Mundos
    Cia. Lumiato

    Ingressos

    Inspirado na colonização da América e dos territórios do mundo todo, o espetáculo conduz o espectador a viajar por um tempo passado que encontra analogias  contínuas com o presente. 2 MUNDOS conta a história do encontro de duas culturas opostas, onde se revelam os sentimentos e motivações mais profundas da humanidade. Quando no embate das diferenças explode a luta pela vida, a morte de um jovem acontece trazendo uma nova esperança.

    Classificação indicativa: 12 anos

    Enluarada

    Sexta, 24 de junho – 20h
    Teatro I – CCBB Brasília

    Enluarada – Uma Epopeia Sertaneja
    Caísa Tibúrcio

    Ingressos

    O espetáculo conta uma história de amor e morte iniciada no interior campestre do Brasil em Minas Gerais. É uma mistura de histórias
    inventadas e histórias lembradas a partir de materiais recolhidos em entrevistas e vivências na região. O espetáculo traz à tona a comida, os cheiros, os mitos e ritos que envolvem histórias tradicionais e percorre o mundo invisível e revelando o universo fantástico e ficcional do interior brasileiro. As personagens/figuras presentes na cultura popular mineira, como os caipiras, violeiros, garimpeiros, vaqueiros, santos e moças, permitem a comunicação com o público a partir da história encenada.

    Classificação indicativa: 14 anos

    Monomujer

    Domingo, 26 de junho – 17h
    Jardins – CCBB Brasília

    Pachakuti
    Argentina

    Não precisa de retirada de ingressos.

    Em todas as propostas do Monomujer, o grupo procura se comunicar com um único espectador. Este é pensado como construtor de sentido, participante ativo do evento simbólico e não como mero observador. Um espectador e criador emancipado. A pergunta que orienta toda a abordagem e criatividade está em como o evento é gerado com sua presença naquele espaço delimitado, como o significado é construído a partir da experiência. Ao contrário do teatro tradicional, não há mais uma massa de plateia, mas o espectador entra em um espaço recortado onde é desafiado e convidado a participar do evento artístico.

    Classificação Indicativa: 16 anos

    Goldfish

    Terça, 28 de junho – 20h
    Teatro I – CCBB Brasília

    GoldFish Film
    Alexandre Américo

    Ingressos

    GOLDFISH FILM assume a solitude enquanto aspecto norteador político-estético. Ao tematizar o esvaziamento das atitudes empáticas para com aqueles que nos parecem distantes e repensar o que faz a humanidade ganhar seus próprios contornos, iremos desconfigurar a casa, habitat natural de Américo, e  apresentar o lar enquanto estado subjetivo. Assim, pretendemos habilitar a audiência a um mergulho solitário em uma camada da existência onde não esteja lúcida a relação espaço-temporal daquele que poderia ser um peixe dourado; o possível merecedor de nossa empatia.

    Classificação indicativa: Livre

    Dolly 1240x480

    Quinta, 30 de junho – 20h
    Teatro I – CCBB Brasília

    Ovelha Dolly
    Fernando Carvalho e Michelle Santini

    Ingressos

    A atriz Micheli Santini recria em cena a história da Ovelha Dolly, primeira mamífera clonada no mundo. Dolly se torna uma celebridade instantânea e passa a questionar sua existência junto ao rebanho, afinal ela é uma ovelha diferenciada, um animal de sacrifício. O texto de Fernando de Carvalho proporciona um espaço de jogo entre o público e a performer, brinca com códigos estruturantes do mundo ocidental ao friccionar noções de individuação e coletividade num rito alucinante. A obra lida com estereótipos da cultura do espetáculo e tenta provocar uma desautomatização de quem assiste. Dolly bufa, rumina, berra ao transitar nas fendas dos discursos massificados e agencia o caos enquanto sua carne apodrece à espera do abate.

    Classificação indicativa: 16 anos

    Programação - Cine CCBB


      MOSTRA BRASIL

      Quarta | 22/06 | 19h

      Sideral – 2021| (Rio Grande do Norte) | Direção: Carlos Segundo | Classificação: 10 anos

      Na Base Aérea de Natal, o Brasil se prepara para lançar o primeiro foguete tripulado para o espaço. Este dia histórico afeta a vida de Marcela, Marcos e seus dois filhos. Ela é faxineira e ele, mecânico, mas ela sonha com outros horizontes.

      A Casa do Caminho– 2021 | (Brasília/ DF e Boa Vista/RR) | Direção:
      Renan Montenegro | Classificação: Livre

      O processo migratório é exaustivo. Às vezes, tudo que essas pessoas precisam é de uma casa no meio do caminho.

      O Pequeno Chupa Dedo – 2020 | (Brasília/DF)| Direção: Emanuel Lavor e Pedro Buson | Classificação: 14 anos

      Em uma noite de encantamentos, histórias assombradas e brincadeiras, uma mãe cansada tentar colocar seu filho para dormir.

      MOSTRA LATINA

      Quinta | 23/06 | 19h

      Todo lo que muere – 2021 | (Equador) | Direção: Pamela C

      Después de que Jonás haya incendiado el salón de su hogar, provocado por un episodio maníaco y poner a todos em peligro, su padre Antonio, se ve enfrentado a tomar la decisión de si internar a su hijo o no. Antonio sabe que la única manera de salvar lo que queda de su familia es hacerlo, pero para su esposa Elena eso significa rendirse. Al salir de casa, Antonio rompe en llanto al saber que lo que debe hacer es lo más doloroso por lo que pueden passar como familia. Antonio, en contra de los deseos de Elena, y sin comentárselo a nadie, toma la decisión de internarlo. Em la última noche juntos, el coche del centro psiquiátrico llega para llevarse a Jonás de su casa, quien se opondrá en um inicio, para luego dejar de luchar contra su padre e irse al centro.

      O Prazer de Matar Insetos – 2021 | (Rio de Janeiro) | Direção: Leonardo Martinelli | Classificação: Livre

      Em um futuro próximo, a crise climática atinge um ponto irreversível. Uma freira e um padre se encontram para conversar sobre o desaparecimento dos insetos.

      Bestia – 2021 | (Chile) | Direção: Hugo Covarrubias | Classificação: 18 anos

      Inspirada en hechos reales, “Bestia” entra en la vida de un agente de la policía secreta en la dictadura militar en Chile. La relación con su perro, su cuerpo, sus miedos y frustraciones, revelan una macabra fractura en su mente y en un país.

      MOSTRA BRASIL

      Sexta | 24/06 | 19h

      Rosinha – (2017 | Brasília/DF) | Direção: Gui Campos | Classificação: 16 anos

      No alvorecer da existência, uma rosa desabrocha ao receber as carícias dos últimos raios do sol.

      Tele-entrega – 2017 | (Porto Alegre) | Direção: Roberto Burd | Classificação: Livre

      Em uma noite de chuva, Elias aguarda por um transplante cardíaco que poderá salvar a vida do filho.

      Demônia – 2016| (São Paulo) | Direção: Cainan Baladez e Fernanda Chicolet | Classificação: 12 anos

      Demônia é um ser endiabrado. Ou uma mulher má.

      MOSTRA BSB INFANTO-JUVENIL

      Sábado | 25/06 | 14h

      A Arte de Andar pelas Ruas de Brasília – 2011 | (Brasília/DF) | Direção: Rafaela Camelo | Classificação: 16 anos

      Duas garotas se encontram na cidade.

      Marina não vai à praia2014 | (MG) | Direção: Cassio Pereira dos Santos | Classificação: 10 anos

      Um grupo de adolescentes prepara uma viagem para o litoral. Marina, uma garota com Síndrome de Down, deseja conhecer o mar. Impedida de viajar, ela busca caminhos para realizar seu sonho

      Aulas que matei – 2018 | (Brasília/DF) | Direção: Amanda Devulsky e Pedro B. Garcia | Classificação: 14 anos

      Mais um dia de aula. Nem todos conseguem chegar..

      MOSTRA BSB INFANTIL 

      Domingo | 26/06 | 14h

      O Menino Leão e a Menina Coruja – 2017 | (Brasília/DF) | Direção: Renan Montenegro | Classificação: Livre 

      Esse é o universo das pessoas-animais. Quando filhotes, eles precisam estudar na Escola Filhote Selvagem.

      Foguete2020 | (Brasília/DF) | Direção: Pedro Henrique Chaves| Classificação: Livre

       

      No coração da cidade, um brinquedo atrai milhares de pessoas e une diferentes gerações. O desafio de subir e descer o foguete encanta pai e filho que brincaram no mesmo lugar e guardam segredos nunca revelados. É preciso ter coragem.

      O Véu de Amani | (Brasília/DF) | Direção: Renata Diniz | Classificação: Livre

      Amani é uma garota paquistanesa que mora no Brasil. Ao mudar de casa, a menina muçulmana recebe um presente inesperado da sua nova amiga brasileira: um biquíni.

      Terça | 28/06 | 19h

      Descaminhos2022 | (Brasília/DF) | Direção: Armando Fonseca | Classificação: 14 anos

       

      Um grupo de amigos se reúne após uma grande perda. Conflitos pessoais trazem antigas memórias, que são ativadas em um ritual de cura, dando lugar a manifestações inusitadas.

      Casa de Praia – 2018 | (Brasília/DF) | Direção: Duda Affonso | Classificação: Livre

      Brasília é um deserto. O calor, o ócio e a melancolia, próprios de sua juventude, tomam conta da cidade vazia. Mazé acorda num lugar estranho em um futuro que poderia ser amanhã ou um dia que poderia nunca ter existido. Ela é convidada a ir à praia. E vai.

      Arkhé – 2018 | (Brasília/DF) | Direção: Ana Caroline Brito| Classificação: 10 anos

       Arkhé é um curta autobiografico experimental. O filme é dividido em 5 partes, cada uma ligada a um elemento: éter, água, ar, terra e fogo. Ele explora algumas sensações e metáforas relacionadas a depressão e os sentimentos que essa doença trás. O mar de sentimentos, o furacão de pensamentos, a terra que nutre e o fogo que transmuta.Uma tentativa de embraquecimento e um relacionamento que dá errado são gatilhos que levam ao clímax. A cura vem por meio do reconhecimento do corpo que leva a um retorno à infância e às raízes ancestrais.

      MOSTRA LGBT/ MULHERES 

       

      Quarta | 29/06 | 19h

      O Mistério da Carne – 2019 | (Brasília/DF) | Direção: Rafaela Camelo | Classificação: 14 anos

      Abençoado seja o domingo que é dia de encontrar Giovana

      Lua Azul – 2021 |(São Paulo) | Direção: Letícia Batista e Vitória Liz | Classificação: Livre

      Riva volta para o Brasil e se encontra mais sozinha do que nunca. Flávia não tem tempo para se sentir sozinha. As duas se conhecem, e se distraem, ao redor dos campinhos e quadras de futebol

      Menarca – 2020 | (São Paulo) | Direção: Lillah Halla | Classificação: 16 anos

      Num vilarejo de águas contaminadas, duas crianças fantasiam com a primeira menstruação, enquanto engendram maneiras de se proteger da quase inevitável violência que as espera.

      MOSTRA DOC

       

      Quinta | 30/06 | 19h

      Deus Me Livre – 2021 | (Curitiba/PR) | Direção: Carlos Henrique de Oliveira, Luis Ansorena

      Hervés | Classificação: 12 anos |

       

      Adenilson e Zeca estão no pior lugar durante o pior momento da pandemia: são sepultadores do cemitério que mais enterra vítimas do coronavírus no Brasil. Após o chefe ser infectado, eles enfrentam a tarefa de evitar o contágio enquanto fazem inacabáveis enterros. A dupla irá se apegar mais em Deus que nas medidas de proteção.

      Tinhosa 2018 | (Brasília/DF) | Direção: Rafael Cardim | Classificação: Livre

      Uma flautista se vê em meio a um conflito em um ambiente disputado entre a fé, a arte, Deus e o Diabo.

      MOSTRA RN

       

      Sexta | 01/07 | 19h

      Sideral – 2021| (Rio Grande do Norte) | Direção: Carlos Segundo | Classificação: 10 anos

      Na Base Aérea de Natal, o Brasil se prepara para lançar o primeiro foguete tripulado para o espaço. Este dia histórico afeta a vida de Marcela, Marcos e seus dois filhos. Ela é faxineira e ele, mecânico, mas ela sonha com outros horizontes..

      Fendas – 2019 | (Rio Grande do Norte) |Direção: Carlos Segundo | Classificação: 12 anos

       

      Pesquisadora do campo da física quântica estuda os espaços sonoros na imagem. O mergulho em sua pesquisa é um mergulho em sua vida. Passado, presente e futuro se convergem, nos dando a dimensão de seu universo subjetivo.

      PREMIADOS

       

      Sábado | 02/07 | 14h

      Romance2021 | (Rio de Janeiro) |Direção: Karine Teles | Classificação: 14 anos

      Sede de poder e moralismo são os principais sintomas de um estranho vírus que está se espalhando pela sociedade. O romantismo é a principal estratégia de captura de novas vítimas. Juliana tenta escapar a todo custo de seus antigos romances, mas será possível ser feliz sozinha?

      O Órfão – 2020 | (São Paulo/SP) | Direção: Carolina Markowicz | Classificação: 12 anos

       Jonathas, um menino órfão, é adotado por uma nova família. Logo depois, o garoto é devolvido ao orfanato com a justificativa de que ele age de um jeito feminino.

      Rio Doce – 2021 | (Recife/PE) | Direção: Fellipe Fernandes | Classificação: 14 anos

       

      Tiago é um jovem trabalhador que descobre a identidade do pai ausente, quando conhece as suas meias irmãs, fato que o leva a questionar a sua própria identidade às vésperas de completar 28 anos. Morando em Rio Doce, na periferia de Olinda, região metropolitana do Recife, ele luta para encontrar seu lugar no mundo. Nesse processo, ele fortalece laços afetivos, transformando assim sua forma de ser e de ver o mundo.